Queria ter as palavras perfeitas para te oferecer. Os sonhos mais lindos, as horas mais longas. Queria te escutar por horas, sua risada, suas histórias, ser teu porto seguro. Desejo ter cinco minutos nos pensamentos do seu dia. Queria te olhar diferente para que não pudesse doer tanto. Queria te contar meus sonhos, meus desejos, sobre meus sentimentos. Não há ordem nessa história de coração. Há caos, tormenta, ventania, mas basta uma troca de olhar, para que chegue a calmaria. No espelho da vida, reconheço-me em você, te reconheço em mim. Somos fragmentos espalhados nessa vida atrapalhada. Já vivemos nossas cotas de pedras, porque não abastecer com um pouco de delicadeza?

Aqui jaz Absurdolândia,
o lugar da ignorância,
da resiliência
e da ineficiência.
Ineficiência dos governantes,
que são pulgas saltitantes
e porcos ultrajantes.
Um país onde o trabalhador não tem vez
e o patrão só mostra estupidez.
Um país que acolhe o feminicida
e despreza a massa entristecida,
que fica cada dia mais desfavorecida.
Esse é o país do magnata,
do ladrão de gravata.
E quem paga as mazelas dessa nação?
somos nós, com esfregão na mão,
com os pés no chão,
com o vencimento da prestação
e com uma dor no coração.
Quem paga é a mulher assediada,
a garota baleada,
a criança estuprada.
O negro subjugado,
O trabalhador escravizado,
O povo vilipendiado.