Da mesma maneira que sofri ao fugir de ti, hoje eu sofro por não te ter...
 

"Sua mão passeou pelo meu corpo como se já o conhecesse
Respondendo a seus lábios macios e doces, os meus se entregaram
E arrepiada e faminta, estremeci de desejo
Voraz
Fugaz
Silêncio marcado pela respiração ofegante
Suores
Cheiros
Mais um beijo, mais um abraço
O olhar que brilhava e o meu que pedia: Mais
Quando a realidade chegou até nós
Silenciosamente deitamos uma ao lado da outra
O sono chegou e o silêncio noturno nos embalou como canção de ninar."

Me perdi em seus lábios doces e macios
E, de repente, as coisas viraram pelo avesso
As decisões outrora feitas, viraram pó
Desconsertaram a mim e a minha ignorância
Assumindo humildemente e envergonhada o erro
Assumindo que a passagem do tempo mudou
Assumindo insegurança e infelicidade

Assumindo que assim sou, que assim me fiz
Perdida, triste, dura.

A casa vazia não faz mais sentindo. 
E será que algum dia fez? 
Será que algum dia as palavras foram suficientes?
Ou apenas o dia por vir era suficiente?

Com toques, olhares, sabores
O suor escorrendo pelo corpo como chuva
A vida ressuscitando vida, prazeres
Como as horas passaram sem perceber?

Mas a dor que traz vida, vida que traz morte
Segredos que se abrem numa cratera
E desaguam nas montanhas e nos verdes
Sentidos que se abrem, pensamentos que se perdem.

Aqui, as palavras voam como pássaros,
Trazem paz, segurança e amor
Toque.
Olhar.
Sabor.

[inspirado no filme italiano Io sono l'amore, Um sonho de amor]