do meu amigo poeta mais lindo do mundo, Victor Az!

Hoje eu pensei em você
pensei em nunca mais deixá-la me abandonar
pensei em gritar o mais alto que pudesse para me escutar

Hoje eu pensei em mim
pensei em me largar para não chorar
pensei em deixar-me para viver

Hoje eu pensei em nós
pensei no que não fomos, no que não seremos
pensei que pudesse resgatar o pouco que tivemos

Hoje eu pensei em mim
pensei em sentir mais uma vez sua pele macia
pensei em mais uma vez beijar sua boca deliciosa

Hoje eu pensei em você
pensei em correr e te segurar
pensei em falar e calar

Hoje eu pensei em nós
pensei nos encontros e desencontros
pensei vivermos de novo um último segundo a sós.


Venho por meio desta me resignar, entregar meu corpo, minha cabeça, meu coração e minha alma nessa mesa, nesse pedaço de madeira velha. Venho desembuchar todas as palavras que ficaram paralisadas. Venho buscar arrependimento e misericórdia. Não quero julgamento, pois já o fiz sem piedade. Quero a certeza de que a dor e a morte venham me buscar, pegar em minha mão e dizer palavras carinhosas antes do golpe final. Pequem! Pequem sempre, pois só assim saberemos estar vivos! Nada me importa agora, apenas essa solidão que me assombra noite e dia, esse vazio que me persegue, me corrói. A visão começa a faltar-me. Mas desde quando eu enxergo? Nem lembro mais dos sabores das cores e os cheiros do som. Aqui jaz apenas um espectro ambulante, com um cajado numa mão e a morte na outra. Deito-me nessa mesa para repousar meus pensamentos que me cansam há milênios. Deito-me porque meu corpo ri da fraqueza do meu coração. E é aqui que ficarei por séculos a vir. É aqui que cantarei a canção que você fez para mim.

eu grito com a louca que há em mim,
destrato,
escarro,
estapeio...

nada me tira da letargia,
do abandono,
das mesmas falsidades ajoelhadas.

eu grito.
e sucumbo.

o desejo que invade
boca que chama seu beijo
calor que acomete, seja no calor, seja no frio.

as teias emaranhadas
por olhares lascivos e
as palavras ditas no sussurrar da noite.

nada consome a verdade
e esse sentimento que não passa,
essa potência que amedronta e não apazigua.

meu medo de amar acabou,
acabou em seus lábios,
em seu corpo.

o passado que confronta o futuro incerto,
os sonhos que mostram a vida.

nada há para se dizer.
nada há para se mostrar.

apenas eu e a imagem,
eu e o desejo,
eu e o incerto.