Ecos da solidão

14:30

A rua está deserta. Somente eu andava por sua calçada, olhando o céu azul, as árvores e as flores que brotavam timidamente em seus cantos. Não sentia meu corpo andar, meus pés pareciam pisar em nuvens. Na minha cabeça só a sua imagem. Queria correr pra te ver, mas a cada passo que caminhava não via mais nada além das árvores e das flores. As casas não existiam. Bem lá no fundo eu via uma fumaça branca. Sua casa talvez? Não sei. Queria chegar logo, mas a distância não diminuía. De repente a fumaça tornou-se negra e gritos ecoavam em minha cabeça. “Me espere, estou chegando”, gritei pra ti. Não houve resposta. Senti meu coração bater muito forte e chorei. Chorei porque não conseguia correr; porque não conseguia chegar; porque não podia te ver; porque os gritos não paravam de ecoar em minha cabeça. Senti uma vertigem e parei. Fechei os olhos e tudo ao redor mudou. As árvores estavam cobertas por uma camada branca, as flores mortas e flocos de neve caía sobre meu corpo. Comecei a sentir frio, os lábios tremiam. Meu pensamento chamou por socorro. Gritei: nada. Gritei seu nome: nada. Nenhuma resposta. Ao cair no chão de frio, desmaiei. Ou morri. Não sei. Só sei que sua imagem não saía de minha cabeça.

You Might Also Like

1 pensamentos