20:13

Era-me tudo estranho. As cores do meu quarto haviam mudado. Não reconhecia nem os rabiscos da parede e que, definitivamente, foram feitos por mim, pois era minha letra ali. E elas me diziam que eu não sabia de mais nada, que não enxergava mais como antes. Senti minha perna tremer, solitária debaixo do lençol. Os sonhos voavam em mim, mas não se aproximavam o suficiente para me tocar. Teriam medo de mim? Meus próprios sonhos? Levantei-me, estava com uma camisola branca que nunca comprei, numa cama que nunca deitei, num quarto cheio de palavras minhas, mas que nunca havido estado antes. Senti uma vertigem e um líquido amarelo jorrou de minha garganta para aquele chão limpo, não mais branco. Olhei a porta: aberta. "Ufa! Não estou em um manicômio". Apoiei-me na cama e desviei-me do vômito amarelo, fui até a porta e olhei para um corredor vazio, sem fim, com muitas portas abertas. Senti outra vertigem e dessa vez tamb´m senti tontura, quase caí, mas um par de braços me segurou e colocou-me sentada numa cadeira que não havia antes ali. Olhei ao redor, meus sonhos continuavam voando, pareciam borboletas recém saídas do casulo. Não entendi mais nada. Voltei para a cama, dormir me tiraria dali? Não sabia. Apenas deitei e tentei dormir, quem sabe amanhã eu não acorde num campo cheio de árvores, flores, verde?
Era-me tudo estranho.
Adormeci.

You Might Also Like

5 pensamentos