Homenagem a Cazuza

19:12

Amanhã, dia 9 de julho, completa 18 anos da morte do poeta menino-homem-rebelde. Nascido Agenor Miranda de Araújo, Cazuza cresceu no meio artístico. Pai produtor e mãe cantora, músicos circulando em sua vida, ele não poderia fugir de seu destino: poeta, letrista, cantor.
Cantou a vida, a morte, o amor, o desamor, o Brasil, o rock. Ultrapassou seu limite, abusou de sua vida, viu a cara da morte e, numa manhã, foi com ela. Alguns anos atrás, escrevi uma poesia em homenagem a esse poeta que tanto gosto. Vou deixá-la aqui:

Ah, esse cara!

Será exagerado?

Ou uma ideologia?

Ah vida, louca vida

O tempo não pára nem para respirar

Eu, talvez, tenha uma boa vida

Mas com todo o amor que houver nessa vida

Pegarei um trem para as estrelas e depois voltarei para o Brasil

Em quase um segundo, viajando pelo mundo

E minha flor, meu bebê, talvez seja você

Que faz parte do meu show, da minha vida,

Na balada de um vagabundo, no blues da piedade

E, mais tarde, eu tenha um rock da descerebração

Porque só as mães são felizes e meu cúmplice sumiu

E não será mal nenhum gostar de ti, de tuas músicas,

Pois, como ele disse, o nosso amor a gente inventa

E é por isso que eu inventei meu amor por você

Que será sempre meu poeta, nosso poeta,

Nesse mundo de sei lá o quê

E um dia na vida hei de te encontrar no outro mundo

E as boas novas será um encontro emocionante,

Entre o poeta e sua fã.


You Might Also Like

2 pensamentos